Divisão sexual do trabalho e ética do cuidado: Uma abordagem com base no gênero e no dever humano da empatia

  • Marli Marlene Moraes da Costa Universidade de Santa Cruz do Sul, Brasil
  • Josiane Borghetti Antonelo Nunes Universidade de Santa Cruz do Sul, Brasil

Resumen

Este ensaio teve como tema a análise das consequências da ética do cuidado e das desigualdades de gênero no mercado de trabalho. Inicialmente abordou-se o princípio da igualdade e questões de gênero, em seguida realizou-se um estudo a respeito da «Ética do Cuidado» que justifica a atual divisão dos trabalhos domésticos e de cuidado não remunerado. No decorrer da pesquisa, foi utilizado como método de abordagem o indutivo. Por fim, concluiu-se que a divisão sexual do trabalho e a ética do cuidado perpetuam a desigualdade de gênero, o que impede a emancipação social feminina, devendo haver uma transformação social, que garanta a concretização do princípio da igualdade, por meio da empatia e transformando a ética do cuidado um dever humano.

Biografía del autor

Marli  Marlene  Moraes  Da  Costa  é  Doutora  em  Direito  pela  Universidade  Fe-deral de Santa Catarina - UFSC, com pós-doutoramento em Direito pela Universi-dade  de  Burgos  -  Espanha,  com  bolsa  CAPES.  Professora  da  Graduação  e  da  Pós-Graduação Lato Sensu em Direito da Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC. Professora do Programa de Pós-Graduação em Direito - Mestrado e Doutorado da UNISC. O seu endereço de correio electrónico é marlim@unisc.br.

Josiane Borghetti Antonelo Nunes é Doutoranda em Direito pela Universi-dade de Santa Cruz do Sul com bolsa CAPES. Professora da Universidade de Santa Cruz  do  Sul  -  UNISC.  O  seu  endereço  de  correio  electrónico  é  jbantonelo@gmail.com.

Palabras clave Emancipação social, ética do cuidado, gênero, igualdade, trabalho
Compartir
Cómo citar
Costa, M., & Nunes, J. (2020). Divisão sexual do trabalho e ética do cuidado: Uma abordagem com base no gênero e no dever humano da empatia. Revista Chilena de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social, 11(21), 101-116. doi:10.5354/0719-7551.2020.57847
Publicado
2020-06-30