Frentes de exploração biocapitalista: o trabalho não tutelado pelo Direito através do exemplo da produção de ciência e do trabalho cognitivo na universidade pública

  • Tuany Baron de Vargas Universidade Federal do Paraná, Brasil

Resumen

O ambiente universitário é protagonista de uma estratégia de desenvolvimento, uma vez que é um ambiente de produção tecnológica e humana, de subjetividades que se entrecruzam, com potencial para fonte de emancipação humana pelo exercício do trabalho. Nesse sentido, passa a ser uma nova divisa de valor de um novo capitalismo, que reconfigura os modelos de exploração do trabalho e da subjetividade. Ela está situada no centro de gravidade de um biocapitalismo. O presente trabalho busca analisar tal questão através da especificidade da universidade brasileira e das formas de trabalho que nela se estabelecem enquanto produtora de ciência e tecnologia.

Biografía del autor

Tuany Baron de Vargas é mestre em Direitos Humanos e Democracia pela Universidade Federal do Paraná. Especialista em Políticas Públicas para la Igualdad en América Latina, pelo Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela Escola da Magistratura do Paraná. Especialista em Direito e Processo Penal pela Academia Brasileira de Direito Constitucional. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná. Correio eletrônico: tuanybaron@gmail.com.

Palabras clave biopolítica; universidade pública; desenvolvimento.
Compartir
Cómo citar
Baron de Vargas, T. (2021). Frentes de exploração biocapitalista: o trabalho não tutelado pelo Direito através do exemplo da produção de ciência e do trabalho cognitivo na universidade pública. Revista Chilena de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social, 12(23), 75-90. doi:10.5354/0719-7551.2021.60720
Publicado
2021-06-24